Viver, sofrer e sobreviver: o que não nos mata, nos fortalece

SEO - Ficção ou Realidade? | Webdesigner Freelancer em Campinas
SEO – Ficção ou Realidade? | Webdesigner Freelancer em Campinas
20 de janeiro de 2017
Insights rápidos sobre ser “bem-sucedido”
9 de fevereiro de 2017
Exibir tudo
nietzsche desenho ilustrador freelancer em campinas
“A todos com quem realmente me importo, desejo sofrimento, desolação, doença, maus-tratos, indignidades, o profundo desprezo por si, a tortura da falta de autoconfiança e a desgraça dos derrotados.” Friedrich Nietzsche

Escrito por Gisele Gonçalves, em Desassossego/Obvious

A vida como uma montanha

Sofrimento é necessário. Para entender o que Nietzsche queria dizer, podemos escalar sua montanha preferida nos Alpes Suíços. Ao chegarmos no topo da montanha a vista é maravilhosa, o ar é puro, a nossa sensação é de total bem-estar. Ficamos deslumbrados com tanta beleza. A partir daí entendemos porque Nietzsche gostava tanto de montanhas. Era do ápice que contemplava-se a vista mais bonita. Mas para chegar até lá, existem muitos obstáculos ao longo do caminho. Pedras, solos íngremes, é preciso fazer um grande esforço físico para subir, e em certos momentos o desgaste é tão grande que dá até vontade de desistir. Nietzsche metaforicamente falava da existência humana como sendo uma caminhada. Ao escalarmos montanhas, tínhamos uma clara compreensão do que é a vida.

Vida, sofrimento e sobrevivência

Nietzsche, não era do tipo que “atira-se do prédio”, aceitando a derrota definitiva. Assim como outros pensadores existencialistas, Nietzsche não acreditava na felicidade eterna ou em uma vida sem sofrimento, nem escrevia para tentar amenizar nossas dores. Pelo contrário, acreditava que sem a angústia e a dor não há realizações humanas. Nossa cultura hoje parece nos ensinar a evitar falar de nossas falhas e dores. Em uma era de tecnologia, consumo exacerbado e busca constante por tudo que oferece prazer, por tudo que é fácil, confortável, rápido e que exige menos esforço, o vazio, o sofrimento e a falta de sentido da vida se tornam aspectos difíceis de serem vividos e aceitos. Nossos ombros suportam o mundo, a solidão, a dor e a angústia porque fazem parte da nossa condição enquanto seres humanos.

As perdas nos ligam a outros ganhos

Quando estamos cansados de sofrer, começamos a lutar contra o sofrimento, procurando formas de aliviá-lo, somos obrigados a esforçarmos para achar um caminho melhor, reconhecemos nossas vulnerabilidades, limites e adquirimos autoconhecimento. A angústia passa a ser vista não como algo depressivo e paralisador, mas sim como um impulso para a vida, para a percepção da nossa existência, do nosso despertar, da nossa possibilidade de nascer e renascer. Saímos do comodismo e procuramos outros modos de pensar e agir. Durante todo nosso caminho, passamos pela dor de renunciar algo que gostamos, mas esquecemos que toda perda nos liga a outros ganhos.

O presente que nos traz o sofrimento

É esse sofrimento que nos oferece uma oportunidade de mudança, ainda que seja algo doloroso, não há renovação, crescimento e libertação sem dor. Se nós optarmos pelo prazer do crescimento, podemos nos prepararmos para sofrer. Só assim adquirimos autoconhecimento e nos sentimos mais sábios e seguros, não temendo o encontro com nós mesmos. Nos preparamos para os inúmeros e inevitáveis momentos de solidão, que a vida nos reserva.

Vida, sofrimento e sobrevivência

Em 8 de março de 1884 Nietzsche revela a seu amigo: ” (…) tive que buscar dentro de mim coragem, pois de todos os lados só vinha desânimo: a coragem de carregar meu pensamento. ” A filosofia de Nietzsche é consequência de sua própria vida. Perdeu o pai aos 5 anos de idade. Contraiu sífilis e muitas outras doenças durante toda sua vida, por isso mudava de cidade regularmente em busca de ar puro e bem-estar. Foi um filósofo só, não foi compreendido pela maioria de seus colegas e suas obras só foram reconhecidas depois de sua morte. Com o tempo Nietzsche teve um colapso nervoso, pensou ser Napoleão, Deus e Buda. Ficou internado em um sanatório e morreu depois de um tempo, aos 56 anos de idade.

Sua vida foi uma luta longa e heroica consigo mesmo. Assim como o filósofo, não basta a nós sofrermos, é necessário aprendermos a reagirmos diante dos nossos sofrimentos. Eles são desagradáveis mas podemos reinterpretá-los de uma maneira mais construtiva, eles podem nos obrigar a superamos e a recomeçarmos de uma maneira diferente, assim levamos a vida de forma mais leve. Como os alpinistas ao subir uma montanha, somos desafiados a superar nossas dificuldades, afinal, todos nós temos fases ruins na vida. Lutemos fortemente e fiquemos prontos para a vida. O essencial é viver.

Bruce Azkan
Bruce Azkan
Ilustrador, Designer Gráfico, Web Designer na Society Corp.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *